Por Gabriel dos Santos em 12 de junho de 2012

O Novo Marketing versus o Marketing Tekpix

Eu gosto de comerciais. Eu gosto de assisti-los, analisá-los, criticá-los, pensar como os faria de maneira diferente. Ao contrário de mim, minha esposa ODEIA comerciais. Ela simples e estupidamente troca de canal até que o programa que estamos vendo volte do intervalo. Apesar das minhas incessantes investidas sobre ela com o argumento de que se eu fosse publicitário e ela continuasse a fazer isto, ela teria de escolher entre o controle remoto ou a mim, ela continua a fazê-lo. E eu continuo a ficar zonzo com o número de vezes que ela “roleta” os canais em menos de um minuto.

Entretanto, por vezes, preciso concordar com a cruel e incansável troca de canais da minha esposa. Alguns comerciais basicamente não deveriam existir, principalmente aqueles que ainda trabalham com o jeito antigo de fazer propaganda.

Mas agora, ah! agora vamos falar de coisa boa! Vamos falar de TEKPIX! A câmera que filma, fotografa, é webcam, aspirador, celular, papel higiênico, peteca e acessa internet!

Isso te lembra alguma coisa? Vocês está lá sentado, vendo seu programa favorito, seja ele da Márcia Goldshimit ou do Ratinho e de repente… Bang! Aparece o Juarez com a Tekpix na mão.

Na minha opinião este tipo de marketing é impessoal, previsível e irrelevante – Desculpe, Juarez.

Mas agora, ah! agora vamos de coisa boa! Vamos falar do NOVO Marketing, aquele que é baseado em relacionamentos.

No mês passado, durante a comemoração de aniversário do meu enforcam… ah, piada muito velha, durante a comemoração do meu aniversário de casamento, pude EXPERIMENTAR esse novo marketing, quase que à queima roupa. Levei minha esposa  para almoçar fora numa das famosas e tradicionais filiais do Outback, restaurante Australiano, que ficou famoso por sua deliciosa e suculenta cebola australiana, a Blooming Onion. Que a cebola é uma delicia, eu já sabia. Que a costela com molho barbecue derrete na boca, eu também já sabia. Agora, ver os garçons, recepcionistas e até mesmo o gerente se CONECTANDO com os clientes foi uma nova experiência.

Havia uma espera de aproximadamente 40 minutos para uma mesa. Mas não era por isso! Você esperava no bar, podendo degustar alguns petiscos e bebidas ou recebia uma senha eletrônica que acendia e vibrava assim que sua hora chegasse. Assim, se não quisesse esperar ali, poderia dar uma volta no shopping, onde o restaurante fica localizado.

Ao sermos direcionados para uma mesa, somos calorosamente recebidos por um garçom, que dado seu nível de entusiamo, diria que ele ganha mais do que meus gerentes de alto escalão:

“Olá meus queridos, tudo bem? Meu nome é João e eu serei o garçom de vocês esta tarde!”.

A todo instante João está preocupado com nossa refeição, se estamos gostando ou o que poderia mudar para que nossa experiência ali fosse extremamente agradável, etc. Da entrada à sobremesa, tudo o que você pensa é: Não quero mais sair daqui! A comida é ótima, a iluminação perfeita e eu sou tratado como um César!

Duas horas depois, enquanto satisfeitamente pagava os 10% do service, juntamente com a conta, pude observar o seguinte:

O novo marketing é autêntico. Logo na entrada principal existe uma placa metálica indicando o nome do proprietário (mesmo  sobrenome da minha esposa, ponto pra ele!). A frase do garçom ao nos cumprimentar – Olá, tudo bem? Meu nome é tal e eu serei seu garçom esta tarde! – deixando claro que ali é território dele e nossas vontades não irão vagar sem destino pelo salão é algo característico daquele e somente daquele restaurante.

O novo marketing é generoso. Enquanto olhamos o cardápio, somos servidos de um original pão de massa integral, quentinho e acompanhado de uma manteiga que rapidamente derrete quando os dois são colocados juntos – assim como você pode ver na imagem acima. Não foi inesperado, pois eu já conhecia a generosidade da casa. Porém, mesmo já ciente do gosto, é sempre bom saboreá-lo novamente. No final, dar primeiro para receber depois, pode parecer um velho ditado, mas é uma estratégia de marketing brilhante.

O novo marketing é auto divulgativo. A simples experiência que um só almoço pode trazer é suficiente para fidelizar uma mesa inteira de clientes. E mais, meu primeiro impulso era de compartilhar estes momentos com minha familia e amigos.

Em um mundo como o de hoje, você provavelmente não sobreviverá no mercado se as palavras que saem da boca de seus clientes não jogarem a favor do seu time. Gritar mais alto no comercial das concessionárias de veículos ou tampar a tela da TV inteira com uma bunda na campanha da nova cerveja, talvez não seja mais suficiente para nos conquistar.

Deixe um comentário

Publicidade