Por Diogo Travagin em 1 de fevereiro de 2013

Desista logo da carreira se você só enxerga obrigação no que faz

carreira
Caro, leitor. Você realmente gosta do que faz? Se sente bem no seu atual emprego? É o que você queria quando era criança?

Se você ao acordar se sente na obrigação de ir trabalhar e se assusta ao pensar na pilha de papéis em cima da sua mesa, você poderia considerar uma mudança de ramo. Não concorda? E não é porque você tem 30, 40 ou até mesmo 50 anos que não possa mudar. Não é fácil, mas também não é demérito algum sair de um ramo de trabalho e passar a outro. Alguns podem até dizer: “Posso não fazer o que gosto, mas ganho muito dinheiro”. É só isso que importa? E se ao partir para o que realmente você sonhou e queria fazer até pouco tempo atrás lhe render uma boa grana? Em qualquer ramo você pode ganhar dinheiro, basta fazer por onde. E o melhor de fazer o que gosta é sentir prazer, é a vontade de ser reconhecido por seu esforço, é poder voltar pra casa sem grandes estresses e ficar pensando que amanhã será um longo dia novamente.

A frase que inicia este post pode ser considera forte por alguns, mas é muito verdadeira. Saia da zona de conforto e lute por aquilo que você goste. Estar no emprego que você sempre quis é considerado qualidade de vida também. Pois o stress e o desânimo por fazer o que não gosta, pode trazer malefícios e você sofrerá as consequências no futuro.

Pense bem. Você se sente bem onde está hoje? Invista em você, faça o que lhe for de bom grado. E sinta-se realizado.

Deixe um comentário

Publicidade