Por Bruna Coura em 14 de abril de 2015

O que é que o Atendimento tem?

shutterstock_196305239Imagem: shutterstock.com

Durante a faculdade, você tem vontade de ser várias coisas. Às vezes até passa pela cabeça se é aquilo mesmo o que quer pra vida, mas é só uma fase, logo a gente sente aquela certeza – vindo sabe-se lá de onde – do que gosta e do que sabe realmente fazer. Foi assim comigo e certamente foi (será) com você.

A certeza de que seria Atendimento foi quando uma professora definiu a função assim: “-Ser Atendimento é defender o cliente dentro da agência e defender a agência perante o cliente; é saber um mar de informações com um dedo de profundidade.” Mal sabia ela que estava ajudando alguém a definir o que fazer da vida.

Nós somos a comissão de frente da agência, costumamos ser os primeiros a receber as críticas e os elogios rasgados também; somos os chatos da agência, os tolhedores de criatividade, os que repassam informações, que argumentam com a criação e com o cliente, os que devem ter um jogo de cintura eterno. E isso é bom, mas é pra quem quer muito.

Até diria que pra ser Atendimento há alguns pré-requisitos:

1.  Saber ouvir – ouvir o cliente, ouvir a criação, o produtor. Requisito importantíssimo pra que o job saia perfeito.

2. Saber decifrar informações – ouvir, absorver e descrever tudo com o máximo de detalhes sem ser prolixo. Briefing bem feito, é quase 100% de chance de tudo dar certo.

3. Ser paciente – acredite, paciência é uma virtude que poucos têm e necessária pra essa função.

4. Ter jogo de cintura – saber lidar com situações adversas.

5. Ter jogo de cintura – não custa reforçar.

E o mais importante, não adianta colocar sua melhor roupa social, sapato e sair com uma pasta com notebook do lado se você não tem paixão; é, paixão pelo o que faz é o que faz a gente levantar todos os dias, mesmo com todos os problemas e com tudo o que possa vir de encontro ao que a gente deseja. Ser Atendimento é ser louco de amor pelo o que faz.

Deixe um comentário

Publicidade