Por Diogo Mattos em 11 de agosto de 2015

Primeira série Brasileira do Netflix confirmada

3%_capa

Acredito que todos acompanharam nessa última Quarta-feira o lançamento oficial da primeira série Brasileira do Netflix, intitulada 3%.

Previamente, em 2011, já havia sido lançado um piloto em 3 episódios no Youtube (que você pode conferir aqui), mas ainda não era nada confirmado.

Porém, com grande louvor, a atriz Bianca Comparato, que estará no elenco, foi a responsável em divulgar ao grande público a novidade, conforme você também pode conferir no pequeno clip abaixo.

Os 7 episódios encomendados, começarão a ser gravados no início do ano que vem e irão ao ar em dezembro do mesmo ano.

A primeira série Brasileira do Netflix conta com direção de Cesar Charlone, autoria de Pedro Aguilera e será produzida pela Boutique Filmes, com João Miguel e Bianca Comparato como os protagonistas de toda a série.

A julgar pelos três episódios piloto, disponibilizados no Youtube, trata-se de um thriler sensacional que promete não ficar atrás das séries Americanas normalmente exibidas no canal.

A história

Na história da primeira série Brasileira do Netflix existem duas sociedades opostas, a do progresso e a da devastação, e a única forma disponível para atravessar para o lado bom, é através de um processo de seleção rigoroso, onde apenas 3% dos participantes é aceito.

Segundo Charlone, o diretor, em nota oficial a imprensa, “Em última instância, a série traz à tona questões sobre a dinâmica da sociedade que impõe constantes processos de seleção pelos quais todos nós temos que passar, gostemos ou não”.

3%_piloto

Um debate iniciado

Em debate no congresso da Associação Brasileira de TV por Assinatura (ABTA) a dominação do Netflix como plataforma OTT foi veementemente discutida.

A falta de cumprimentos legais que regem as TVs por assinatura convencionais, foi a grande pauta da contestação.

A verdade é que o sucesso do Netflix mundialmente, agora acentuado pela confirmação da estreia de 3%, levantou a poeira da ameaça á concorrência.

Mesmo assim, há quem concorde com a existência de plataformas como essa, pois em tese favoreceria a indústria da assinatura, uma vez que consegue entregar conteúdo bem mais rápido e com a mesma qualidade.

Por outro lado, existem aqueles como o diretor de marketing da Net, que vê isso como uma ameaça que precisa ser controlada.

Uma nova solução, algumas resistências

Enfim, sem entrar muito nesse terreno, pois já seria um assunto para uma próxima postagem, acredito que o mercado tradicional, atrelado a antigas regras, precisa abrir o olho para a mudança dos tempos.

O consumidor de hoje é muito mais inquieto e ávido por informação do que antes, ele está bem mais ativo. Por isso é comum o chamado usuário multi telas, que está sempre ligado em vários dispositivos ao mesmo tempo, inclusive á convencional televisão.

Nesse caso então, não se pode ignorar a presença do novo consumidor e deixar de fazer algo dirigido para ele, já que isso vai atraí-lo muito mais. É uma questão de abrir a mente e aceitar o novo, que os profissionais mais antigos resistem.

Por hora, voltando a primeira série Brasileira do Netflix, 3% tem tudo para dar certo, pois em sua sinopse fornece uma crítica ácida a sociedade atual que com certeza vai fazer muita gente parar para pensar.

Em uma linguagem moderna, com temática futurista, de suspense, mas que não deixa de chacoalhar com o convencional, ela realmente promete. Só nos resta aguardar ansiosamente por 2016 para conferir se toda a previsão vai ser correspondida na prática.

Deixe um comentário

Publicidade