Por Erickson Monteiro em 9 de julho de 2016

Brasileiro faz filme sobre crise migratória na Europa

diaspora

O historiador e cineasta Cleonildo Cruz está envolvido na construção do roteiro de seu novo projeto de longa-metragem, “Diáspora – Todos os Sonhos do Mundo”, que vai abordar o tema da crise migratória na Europa e as redes de acolhimento aos refugiados. Cleonildo começou suas pesquisas exatamente no Dia Mundial do Refugiado, 20 de junho, partindo de Lisboa, mais especificamente da casa de Fernando Pessoa, que empresta o subtítulo ao filme.

A equipe do Diáspora percorreu entre os dias 20 e 25 de junho cerca de 3.200 quilômetros por estrada, passando por três países: Portugal (Lisboa, Porto, Faro), Espanha (Sevilha, Merida e Cadiz) e atravessando de barco para Marrocos (Tanger). A direção de fotografia é do também Pernambucano Fred Alves que atua na Europa e América Latina e que coordenará a equipe de Lisboa. O objetivo é fazer as conexões com os demais países da Europa.

O momento é de captação de recursos para dar andamento etapas que acontecerão na França, Alemanha, Inglaterra, Grécia, Turquia e Líbano chegando ao limite geográfico com a Síria. Os recursos iniciais foram da Tempus Filmes, produtora dirigida por Cleonildo Cruz, que já investiu cerca de R$ 100 mil em viagens, hospedagem, equipamentos e pessoal. O projeto está orçamento em cerca de R$ 1,4 milhões.

Depois de passar por Portugal e Espanha, em Tanger, Marrocos, no dia 24, os produtores tomaram conhecimento pela imprensa da aprovação do plebiscito que autorizou a saída do Reino Unido da União Europeia. “A crise migratória será ainda mais amplificada por esse acontecimento. Teremos a desintegração de políticas multilaterais de apoio aos refugiados. É uma tentativa para que se tenha maior controle no acesso dos imigrantes no Reino Unido, simplesmente dando as costas para o problema’’, destaca Cleonildo Cruz.

Em Lisboa, Portugal, a equipe do documentário visitou redes e ações de acolhimento, através do Conselho Português para os Refugiados, do Centro de Acolhimento para Refugiados e da Casa de Acolhimento para Crianças Refugiadas. Nas visitas, foram colhidos depoimentos e histórias de famílias que sofrem essa tragédia humana. Em 2015, aproximadamente um milhão de pessoas cruzaram o Mar Mediterrâneo para fugir de conflitos. O número é quatro vezes maior do que em 2014, quando 214 mil pessoas atravessaram o mar para chegar à Europa. Em uma das visitas, a equipe teve um breve encontro com o Presidente Português Marcelo Rebelo. O roteiro do filme prevê um mergulho nas experiências e no dia a dia dessas pessoas.

Diáspora pretende arregimentar equipes residentes em cada um dos países por onde vai percorrer, inclusive, convidando refugiados para participar das etapas de pós-produção. À medida que o filme estiver sendo rodado, os colaboradores estarão constantemente retroalimentando a produção. O documentário também será acompanhado em tempo real nas redes sociais. Os produtores prometem alimentar suas redes com informações de cada local de gravação, uma excelente oportunidade para espectadores, entusiastas e estudantes conhecerem as etapas de produção do filme. Para isso foi criado a fanpage: facebook.com/diasporafilme.

“Há caminhos que não têm volta, são irreversíveis. Na condição de quem ama o que faz e não se abala com dificuldades e desafios, estamos rodando o Diáspora. É uma descoberta a cada cena, cada local visitado, cada indivíduo focalizado. São histórias impactantes e reais. Tristeza e dor da perda, saudade da família e a incerteza do próximo dia. Eles deixam seus países por causa da guerra e da perseguição, são sírios, afegãos, iraquianos, somalis e nigerianos. Nessa diáspora arriscam suas vidas para um novo começo e na mala trazem todos os sonhos do mundo”, diz Cleonildo Cruz.

O diretor de Diáspora – Todos os Sonhos do Mundo, estará em São Paulo para participar da pré-estreia do seu filme Operação Condor, verdade inconclusa, no Cine Olido, 6 de julho, às 19h. Evento organizado pela Spcine e a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo. Na ocasião da sua estadia em São Paulo, entre os dias 6 e 7, aproveitará para dialogar com os sírios que refazem suas vidas em São Paulo.

Cleonildo é documentarista e sempre trabalha com temáticas sócio-políticas. Em 2011 esteve no Haiti, país mais pobre das Américas, retratando a história o processo de reconstrução do país depois do terremoto que vitimou mais de 250 mil pessoas. Cleonildo também é diretor do documentário Constituinte 1987-1988 e seu mais novo documentário Anistia será lançado ainda em 2016.

Deixe um comentário

Publicidade