Por Bia Vasco em 3 de janeiro de 2017

Marketing Sensorial: conquistando involuntariamente.

Nossas primeiras percepções de mundo vem através dos nossos sentidos. Eles nos fazem identificar e assimilar as coisas. Visão, audição, tato, paladar e olfato são os nossos primeiros receptores de sensações e criadores de memórias.

O marketing sensorial busca atingir o consumidor através desses principais sentidos. Ele desperta, através de sensações, impulsos, lembranças e assimilações, o seu interesse, criando assim uma interação.

Esse tipo de estratégia de marketing aparece presente em estudos de Neuromarketing, seguindo os princípios de comportamento humano, trabalhando sobre os apelos emocionais que trazem a identificação entre seu consumidor e produto/serviço.

Um dos tipos de fotos que necessitam de extrema beleza e qualidade são as fotografias de comida. É como dizem: “Quando vamos nos alimentar, comemos primeiro com os olhos”. Mas se formos pensar bem, existe também uma atração imediata pelo cheiro. Quando estamos em casa e sentimos aquele “cheiro de bolo” vindo da cozinha, automaticamente o identificamos e, em alguns casos, o desejamos. Assim como quando passamos em frente de um restaurante e sentimos aquele “cheiro de comida boa”.

Uma loja de móveis não deixa uma sala toda montada à toa. Além de beleza, o consumidor de móveis também busca conforto. Mesmo que ele busque apenas um sofá, e o móvel disponível seja uma “pedra”, o tapete debaixo dos pés vai ajudar a disfarçar. Temos aí a utilização da visão e do tato.

Lojas que aproveitam muito essa estratégia são as de roupas, que abusam de manequins com combinações estilosas, decoração intimistas, música ambiente e conforto. A imagem é linda, a luz baixa amarelada conforta e, muitas vezes, disfarça algumas imperfeições. Quando você senta pra provar algum calçado, o sofá quase te pede para ficar, e uma música no fundo, às vezes, te faz fantasiar um desfile… Quem nunca viu uma loja assim? Óbvio, nem todas vão abordar tudo ou ter bom gosto na música, mas a intenção é deixar à vontade (neste caso observamos a visão, o tato e a audição).

Sentidos são capazes de dar identidade para coisas, por exemplo: a “pipoca de cinema”, que usa uma manteiga com cheiro mais forte, concentrado. É “só isso”, mas o cheiro é característico, e isso já a transforma em referência para criação de produtos.

pipoca-de-cinema

A “beleza” das jóias na vitrine;
O “cheiro de carro novo” das concessionárias;
O “conforto” da loja de calçados;
O “frescor” da clínica de estética;
A “música de passarela” da loja de roupas;
O “gosto” da amostra da bancada do restaurante;
O sorriso do cara da recepção… Tudo é sensorial!

Pessoas belas também são um estímulo, por isso existem os modelos e Hostess (recepcionistas e anfitriãs de estabelecimentos ou eventos como: casamentos, aniversários, bodas, entre outros).

Marketing Sensorial cria identidades para marcas, também. Sapatos não são comestíveis, mas quem disse que uma loja não pode ter um cheiro de chiclete característico, como faz a Melissa? Mesmo não tendo familiaridade com o produto, o cheiro já é uma assinatura da marca.

Usar os sentidos é uma estratégia certeira. É algo involuntário, envolvente, que traz lembranças e cria vínculos. O corpo absorve em modo automático. Quer um exemplo? Os jingles. Eles ficam na nossa cabeça repetidamente, e que depois de conhecidos, já identificamos só de ouvir a melodia.

O uso do sentido “paladar” geralmente é feito através de amostras.

Existem estudos específicos que ajudam na composição dessas estratégias. Não basta colocar sua música favorita para tocar ou o perfume que você mais gosta. Existem empresas que criam músicas motivacionais, por exemplo: canções para compra, para relaxamento, para estudos, etc; bem como as essências e acessórios de decoração. Algumas lojas também utilizam hits que estão tocando no momento, ou músicas que definem sua personalidade.

Exemplo: playlist criada baseada na loja Cavalera (Usuário Terra).

cavalera-playlist

Segue uma descrição de algumas aplicações feitas em um ambiente de vendas que utilizam a estratégia sensorial: 

marketing-sensorial-tabela

Usar marketing sensorial é perceber no seu produto/serviço oportunidades para envolver involuntariamente seu público, seja com ambiente, lembrança, convite, som, aroma, sabor ou toque. 

Comece a reparar ao seu redor e verá que todos nós já fomos fisgados.

Deixe um comentário

Publicidade