Por Bruno Haulfermet em 14 de fevereiro de 2017

Um único cartão, mas nunca o mesmo.

Às vezes a gente acha que tem um projeto muito raso nas mãos e foca sempre nas grandes campanhas. O que você vai ver abaixo é um exemplo de que não importa o job: a diferença está em como ele é feito.

Quando dizem que certa característica de alguém é seu cartão de visita, a gente sabe logo que tal adjetivo é marcante naquela pessoa. Quando entregue logo de cara, a pequena peça é responsável pela primeira impressão – boa ou má – sobre seu dono, de acordo com a arte contida nela.

Mas e se você recebesse um cartão de visita que sempre muda? Não uma arte que é atualizada com o tempo, mas o mesmo pedaço de papel que fica diferente a cada olhar? Literalmente. Que impressão você teria?

A designer húngara chamada Réka Neszmély elaborou um cartão diferente do que costumamos ver. Projetado para um cliente fotógrafo e em parceria com outro artista, Ádám Katyi, a peça preza por um minimalismo que dispõe unicamente do e-mail e da logo. Mas o que torna este cartão interessante de verdade é a folha reflexiva que vai anexada à gramatura, e que exibe tonalidades diferentes (podendo até mesmo ser degradê) de acordo com o ângulo que se vê e a iluminação que recebe. Ou seja, o mesmo cartão nunca vai ser igual a cada visualização.

Confira as imagens abaixo e se inspire:

(Imagem/Reprodução)

(Imagem/Reprodução)

(Imagem/Reprodução)

(Imagem/Reprodução)

(Imagem/Reprodução)

(Imagem/Reprodução)

(Imagem/Reprodução)

(Imagem/Reprodução)

(Imagem/Reprodução)

(Imagem/Reprodução)

(Imagem/Reprodução) 

Fonte.

Deixe um comentário

Publicidade