Por Israel Lemos em 29 de março de 2017

Mídia exterior só funciona no exterior?

Repare nestas três ações:

“Não está acontecendo aqui, mas está acontecendo agora” (Imagem: Dandad/Reprodução)

“Não está acontecendo aqui, mas está acontecendo agora” (Imagem: Dandad/Reprodução)  

“Ideias inteligentes para cidades inteligentes” (Imagem: Adweek/Reprodução)

“Ideias inteligentes para cidades inteligentes” (Imagem: Adweek/Reprodução) 

“Provavelmente o melhor cartaz do mundo” (Imagem: Clube de Criação/Reprodução)

“Provavelmente o melhor cartaz do mundo” (Imagem: Clube de Criação/Reprodução) 

Consegue perceber uma grande semelhança entre elas? Todas estão em inglês. Não há uma pesquisa, mas basta procurar no Google por mídia exterior, que você vai se deparar com uma maioria avassaladora de ações em língua estrangeira.

No Brasil, facilmente podemos observar que a maioria desses materiais são outdoors. Às vezes, bons. Às vezes, vergonhosos. Geralmente, bastante tradicionais e sem alguma originalidade, diferente dos citados acima.

Mas o que será que dificulta a execução de uma mídia exterior criativa e diferenciada? Vamos a alguns pontos:

1 leis locais

Afinal, uma faixa de pedestre “parodiada” dessa maneira pode passar despercebida ao motorista, causando um acidente. Certo? Mais ou menos. Pode acontecer, mas, na verdade, é discutível. Situações como essa colocam o que é funcional em xeque com o politicamente correto. Vários são os casos em que isso se aplica, portanto, acabam proibindo e reduzindo o leque de possibilidades do criativo.

2 tempo

O cliente quer o serviço para ontem. Acelerar todo o processo de criação e execução também interfere no brainstorming e demais procedimentos. Ou, então, o inverso: a própria agência tem tantos jobs simultâneos que acaba não executando um trabalho tão qualificado, opta por diversos serviços medianos do que poucos, mas muito bem realizados.

3 empresas fracas

Muito comum em cidades menores, onde serviços não são realizados por não ter quem os faça com excelência. Todos perdem com isso: cliente, empresa e até o próprio comércio local. Mas e nos grandes polos? Pouco se aplica.

4 sem reais

Considerando que um conjunto de ações pode custar um valor relativamente alto, na cabeça do cliente não vale a pena investir em uma única ação, pois o público atingido seria bastante seleto. Em tempos de crise, o investimento costuma ser baixo, sem contar que a verba de publicidade geralmente é uma das primeiras a ser cortada.
5 criatividade

A menos provável das razões. O brasileiro, de modo geral, está acostumado a matar um leão por dia. Se no exterior fazem bons jobs, nada mais justo do que aqui ser tão bom quanto. Quando se trata de criatividade, não duvidem do Brasil.

E vocês, o que vocês acham das mídias exteriores aqui do Brasil? Há mais alguma razão que não citei, para tanto tradicionalismo? Qual delas vocês consideram a principal? Justifique sua resposta.

Brinks, mas sintam-se à vontade para debater sobre nos comentários.

 

Deixe um comentário

Publicidade