Por Fabio Queiroz em 5 de maio de 2017

Não é mais comercial fazer comercial

Há alguns anos, o Storytelling foi um termo bastante utilizado por especialistas de marketing, marcas, publicitários e revistas especializadas em comunicação. Era de fato o surgimento de um universo que já existia, o de contar histórias, apenas ganhou um título e um empurrãozinho de grandes filmes criados agregados a conceito de marcas.

Não demorou muito e vimos o termo Brand Content acender o mercado, o marketing de conteúdo engajado em construir narrativas para marcas através das infinitas possibilidades que as redes sociais nos proporcionavam. A partir da propagação desse termo, profissionais da área de comunicação voltada para publicidade se empoderaram do movimento e revolucionaram o que era antes especulações de como se comunicar com o público na era digital. Passou-se a existir a consciência de que é preciso entreter, engajar, inovar, ser autêntico e consistente para vender. Se fazer digital era complicado, o Brand Content nos ensinou a necessidade de organização para descomplicá-lo.

Após anos de utilização o termo precisava de uma revigorada, o espaço de tempo de sua utilização, apesar de curto, já parecia velho no mundo que trabalha com a efemeridade. Novos congressos, festivais, plataformas, novidades de como utilizar plataformas, mudanças de comportamento do ser humano, a ideia de fazer o seu consumidor passar por uma experiência cada vez mais forte, influenciadores e sub-influenciadores produzindo conteúdo melhor do que agências fez o Brand Content se aliar ao Brand Entertainment, que nada mais é do que o entretenimento como enfoque da mensagem.

Algumas marcas fazem Webséries, outros videoclipes ou até mesmo filmes e documentários. O importante agora é não ser mais o comercial, mas sim o próprio conteúdo que as pessoas vão parar para assistir. Aqui deixo alguns conteúdos de grandes marcas para concepção de que a criação de conteúdo agora se estende para criações de novos formatos.

A Pineapple Supply, marca carioca de camisas, ajudou a movimentar a cena do Rap atual com suas Cyphers Poetas no topo:

A marca de cerveja Desperados lançou uma Websérie sobre artistas de rua de SP intitulada “Madrugada Desperada”:

A Heineken produziu um minidocumentário sobre a história do Beco das garrafas no Rio de Janeiro:

 

Deixe um comentário

Publicidade