Por Ighor Ferreira em 24 de outubro de 2017

Sem mostrar comida, McDonald’s volta a usar minimalismo em seus anúncios.

Embora muitas vezes esses anúncios nem cheguem ao Brasil, se você é um entusiasta e acompanha a evolução na comunicação de multinacionais (e multimilionárias) como a McDonald’s, pode ser que você tenha deixado passar um padrão que vem acontecendo há 4 anos nos anúncios da empresa.

Antes de chegar à campanha mais recente, vamos entender o que está acontecendo: tudo começou quando a agência TBWA de Paris assumiu a conta e, em 2013, realizou a primeira campanha institucional para a marca dando início a essa proposta de um visual minimalista quando produziu anúncios apenas com fotografias em close-up (alerta food porn) nos produtos da marca, sem nenhuma aplicação de logotipo ou nada que indicasse que aquele anúncio era da McDonald’s (exceto por um pequeno detalhe no papel embaixo do McFish na terceira imagem):

(Imagem: Reprodução/Ads of the World)

(Imagem: Reprodução/Ads of the World)

(Imagem: Reprodução/Ads of the World)

(Imagem: Reprodução/Ads of the World)

(Imagem: Reprodução/Ads of the World)

(Imagem: Reprodução/Ads of the World)

(Imagem: Reprodução/Ads of the World)

(Imagem: Reprodução/Ads of the World)

 

No ano seguinte, 2014, a agência transformou o cardápio da rede de fast-food em ilustrações abstratas e pouco detalhistas para anúncios impressos, posicionais em mais de 2,700 outdoors e displays espalhados em locais de grande circulação na França, desta vez com os Arcos Dourados levemente mais explícitos que os anúncios do ano anterior. Os resultados foram os ícones abaixo:

(Imagem: Reprodução/AdWeek)

(Imagem: Reprodução/AdWeek)

 

(Imagem: Reprodução/Campaign)

(Imagem: Reprodução/Campaign)

 

(Imagem: Reprodução/Adeevee)

(Imagem: Reprodução/Adeevee)

Se aproximando da mais recente campanha lançada, a penúltima criação da agência usou a mão de obra do escultor francês Olivier Favart, mais de 70 metros de fio, 400 soldas e 1,100 luzes de LED para criar as esculturas que estamparam os anúncios impressos abaixo:

 

(Imagem: Reprodução/Ads of the World)

(Imagem: Reprodução/Ads of the World)

(Imagem: Reprodução/Ads of the World)

(Imagem: Reprodução/Ads of the World)

(Imagem: Reprodução/Ads of the World)

(Imagem: Reprodução/Ads of the World)

Por fim, a mais recente de todas, lançada em outubro de 2017, é tão minimalista que acabou deixando de lado o principal produto da marca: a comida. Usando cores vivas que são característica da rede de fast-food e embalagens vazias, os anúncios querem mostrar que é tão bom que nem durou o suficiente para sair no no anúncio:

(Imagem: Reprodução/Ads of the World)

(Imagem: Reprodução/Ads of the World)

(Imagem: Reprodução/Ads of the World)

(Imagem: Reprodução/Ads of the World)

(Imagem: Reprodução/Ads of the World)

(Imagem: Reprodução/Ads of the World)

A proposta segue a linha criativa das anteriores e reforça a ideia de que, por ser uma rede tão grande, mundial e singular, seus produtos são o “top of mind” na cabeça das pessoas, ou seja, o primeiro que vem ao pensamento quando se depara com criações minimalistas como as que foram mostradas anteriormente. O reconhecimento por parte das pessoas só reforça isso, provando que, para os amantes da McDonald’s, o esforço necessário para que se efetue o reconhecimento da marca é mínimo.

Deixe um comentário

Publicidade