Digite para buscar

Portifa: O quê, onde e como?

Leo Arcoverde 8 de Janeiro de 2013
Share

Já recebi alguns emails pedindo dicas sobre como montar um portifa. Pra quem anda fora do mundo real e ainda não sabe, o portfólio é uma coleção de todo o trabalho em andamento ou não, que uma empresa ou pessoa já tenha feito. Normalmente usam-se trabalhos já terminados e publicados, como uma maneira de mostrar as habilidades profissionais de uma pessoa ou empresa. Só os melhores trabalhos devem entrar – ou ao menos os que você considera melhor.

Eita, Leo, e agora? Ainda não tenho o meu, nem estagio pra ter algo publicado. Primeiro, não se preocupe: mesmo sem estágio ou emprego é possível sim, montar um portifa com trabalhos fantasmas. Para saber o que é isso, procura aí o vocabulário publicitário nos posts do Plugcitários, porque senão o texto vai ficar muito grande de explicações.

Existem dois tipos de Portfólio: O físico (atualmente conhecido como offline) e o virtual, ou online. A diferença tá na cara. Qual é o melhor? Depende de cada caso, mas adianto que todos deveriam ter um online. Com a conectividade e a facilidade de “se vender” globalmente, o portfólio virtual é quase que um item obrigatório. Mas isso é opinião minha. O portifa físico ficou muito restrito a entrevistas de emprego presenciais, pois a foto impressa em boa qualidade (fine art) é bem superior do que em tela de computador.

Então, como montar um bom portfólio digital?

portfolio-digital-mash

Existem milhares de ferramentas virtuais gratuitas para se montar seu “currículo”. A escolha da plataforma para divulgar seu portfólio é realmente uma tarefa difícil. Pense bastante a respeito antes de escolher e não saia por aí adicionando suas fotos em todas elas, gerando vários links. Concentrar-se em poucas – ou em uma apenas – é a melhor opção. Vou postar aqui uns links com um breve comentário sobre o serviço:

flickr – Bem tradicional para quem já conhece fotografia. No começo eu achava ótimo, mas acabou virando um fotolog da vida. Hoje não vejo com esses ohos maravilhosos todos, mas é uma ferramenta ainda levada à sério por fotógrafos profissionais. Acho que ainda tem um ponto positivo: o limite de upload para usuários gratuitos ainda é ótimo. Dá para colocar suas principais imagens, organizar por pastas e ainda compartilhar suas publicações via facebook.

carbonmade – Vem ganhando espaço a cada dia. Não é específica para fotógrafos, mas vale para todos os criativos. Tanto que já está virando um dos queridinhos de publicitários, designers e ilustradores de plantão. Aparentemente o seu carbonmade se assemelha a um site, constituindo um ponto positivo.

tumblr – Virou zona (porquê todo mundo tem um engraçadinho, tipo 9GAG), e é antes de mais nada um mini blog. Muita gente usa pela facilidade de postar novos jobs por lá. E só. Não curto muito, tampouco levo a sério como ferramenta de portfólios.

Cargo Collective – Esse foi por muito tempo o queridinho dos designers. Uma ferramenta fantástica e gratuita. Fácil de postar, uma vez que você aprenda seu ritmo no admin (plataforma de configuração e uploads). A versão gratuita tem umas limitações de layout e projetos (12).

Behance – O Behance é uma das maiores plataformas do mundo quando se trata de portfólios para profissionais criativos. É o novo queridinho dos criativos modernos. Funciona como rede social. Lá você encontra desde projetos de identidade, web, print e editorial até fotografia. Tudo de modo bem organizado visualmente. Não existem limites de fotos, uploads e customização. Ele permite embedar videos de diversos sites, hiperlinks, imagens e PDFs E o melhor?  É totalmente de grátis.

500px Para fotografia, atualmente é o supra-sumo-do-que-há. O diferencial da rede está no perfil de usuários que o utilizam para postar suas fotos. Na maioria das vezes, o serviço ganha um aspecto mais artístico e profissional, com fotos que vão desde paisagens lindas até fotografias de moda. Eu, pra colocar umas fotos lá, pensei 500x (com o perdão do trocadilho) até escolher algumas. A galera num brinca não. Se tornou minha fonte de referências quando quero me inspirar. O plano gratuito – Free Membership – permite enviar 10 fotos por semana e também vendê-las na seção Market. Já os planos Plus e Awesome Membership oferecem uma variedade de serviços ilimitados com custos de US$19,95 ou US$49,95 ao ano.

Existem várias outras opções de ferramentas, mas citei as que são mais comuns e bem expostas. É um bom começo para o mundo virtual profissional. Só lembre: pregue o desapego. Não adianta ter um milhão e quinhentas mil fotografias medianas no portifa. É bem melhor ter dez fodonas. Qualidade, não quantidade.

Mas e o portifa impresso?

Não esqueci dele. Portfólio para procurar emprego ou mesmo para mostrar seu trabalho autoral deve ter no máximo entre 20 e 25 fotos dentro de uma proposta definida. Exemplo: tá procurando emprego como fotojornalista, selecione de 20 a 25 fotos de fotojornalismo; se for procurar ao mesmo tempo emprego para fotografia de moda, deve montar outro portfólio só com moda, e assim por diante… Se for montar um portfólio para verem sua produção artística, autoral, deve definir uma temática e montar um sobre o assunto. Não adianta fazer samba de crioulo doido.

portifa

O ideal é que as fotos não sejam muito pequenas (9x12cm; 10x15cm), nem muito grandes (30x40cm, 50x60cm). Fique com o tamanho 20x30cm. As fotos deverão ser bem ampliadas, limpas, com cores balanceadas corretamente, sem cortes indevidos, sem manchas, sem pó, enfim… vá ao melhor laboratório possível. A pasta ou caixa que você vai comprar para acondicionar seu material – sim tem de ter uma embalagem legal né? – deve ser de cor neutra (preta, branca ou bege, por exemplo) sem nada de frufru. As fotos devem falar pelo seu trabalho e não a pasta.

A primeira imagem tem de ser um uau! pra cair queixo. Depois desça gradualmente, deixe para o meio as médias e para o fim volte a colocar fotos bem impactantes, entre 10 e 15 fotos no total. Há uma novidade chegando na apresentação de portifas, mais tecnológica, são os famosos Tablets. Eles são perfeitos para apresentações rápidas e seguras, lembrando que os Diretores de Arte não tem muito tempo para analisar seu trabalho e tampouco esperar vc ligar o notebook. Apesar disso tudo, para apresentações ao vivo, ainda confio no bom e velho papel.

É isso. Espero ter ajudado ou esclarecido algumas dúvidas sobre portfólio. Montem o seu e mandem o link pra gente dar uma olhada.

Tags:
Leo Arcoverde

Leo Arcoverde, designer, publicitário (diretor de arte), fotógrafo, ilustrador e metido a redator nas horas vagas. Geek com mau-humor matinal, seco, sarcástico, cáustico, até brincalhão e simpático às vezes. Nem sempre.

  • 1

You Might also Like