Digite para buscar

Time-lapse: fotografia em movimento

Leo Arcoverde 16 de Janeiro de 2013
Share

time-lapse

Acabo  a polêmica logo na primeira linha: é sim. Fotografia Time-lapse é um processo em que cada quadro (frame) de filme é tomado a uma velocidade muito mais lenta do que aquela em que o filme será reproduzido. São fotos sequenciais que quando vistas a uma velocidade normal, o tempo parece correr mais depressa e assim parece saltar (lapsing). Time-lapse pode ser considerada a técnica oposta à fotografia de alta-velocidade.

Mas são vídeos né, Leo? Também são. Aliás, se pensarmos na tecnicalidade das coisas, todo filme é uma coleção dessas fotos sequenciais passadas seguidas para dar a idéia de movimento. A diferença é que o time-lapse faz o tempo correr. A técnica é, ao mesmo tempo, simples e trabalhosa apra ficar bem feita. Primeiramente, além da paciência e bastante espaço num HD, é necessário que você tenha em mente o que irá mostrar no seu vídeo, para que possa contar uma história, como sempre tentamos fazer em fotografia – o conceito é tudo. Portanto, é possível elaborar um roteiro com “as cenas” e locais que se deseja mostrar e os melhores horários e ângulos para a captura – a esse processo, dá-se o nome de pré-produção ou planejamento.

A maioria dos filmes rodam entre 20 a 30 frames por segundo – ou fps – o padrão da indústria cinematográfica é de 24 fps – a regra é: quanto mais fps, normalmente mais suave será o resultado do vídeo (lembram recentemente do Hobbit, gravado em 48 fps?). O tempo de duração que desejamos que o vídeo tenha também deve ser considerado. Por exemplo, se você deseja que seu vídeo tenha uma duração de 30 segundos, com 24 frames por segundo, que é considerado o padrão para uma qualidade boa, basta que você faça a seguinte conta: 24 frames por segundo X 30 segundos de duração = 720 fotos. Exato, para fazer um vídeo com duração de 30 segundos, precisamos tirar 720 fotos em sequência. Daí a paciência e espaço no HD.

A duração do vídeo também trás outra conta: qual o intervalo entre as fotos pra não ter soluços na execução do vídeo? Se o treco tiver duração de 2 horas (sei lá, um pôr-do-sol por exemplo), fazemos uma rápida conta: 2 horas = 120 minutos = 7.200 segundos. Com esse número, fazemos a divisão pelo número de fotos obtidos na primeira conta, ou seja, 720 fotos (necessários para 30 segundos de vídeo, lembram?) e então obtemos o resultado: 7.200/720 = 10. Ou seja, 10 segundos será o intervalo entre cada foto tirada para que o nosso vídeo possa rodar em 24 fps e tenha um aspecto bacana, suave.

Ai que saco. Haja foto pra editar. É bonito mas dá trabalho. E vale a pena. O bom de se fazer vídeos em time-lapse é que você pode usar qualquer tipo de equipamento para fotografar, dependendo somente do tema para que seu vídeo pareça melhor ou pior. Portanto, é possível fazê-los com cameras point-n-shoot, bridge, DSLR (lembrem do meu segundo post aqui no plugcitários) e até mesmo seu iphone. A maior dica será o uso de um tripé, caso contrário seu vídeo vai ser… er, deixa pra lá.

Configure sua camera para fotografar em jpeg, deixe o foco em modo manual  e use um intervalômetro para fotografar, são minhas dicas. Dá muito trabalho editar todos os raws, e imagina só esse trabalho todo pra que o autofoco perca o mesmo no meio do shoot. Quanto ao intervalômetro é apenas pra que os intervalos fiquem homogêneos, sem precisar apertar o botão toda hora (além do quê, apertar o botão pode fazer sua câmera tremer no tripé e sair da posição pre-determinada). Não se esqueça de carregar as baterias e verificar se você terá espaço no cartão de memória. Como eu disse é uma bosta perder o trabalho e o dia por conta de falta de espaço e pilha.

Hora de editar o vídeo. Pensou que o trabalho tinha acabado né? Existem vários softwares de edição de vídeo que podem lhe ajudar nesse trabalho. Premiere, Final Cut, QuickTime, Window Movie Maker, etc. Com qualquer um da sua escolha, você terá a opção de importar imagens em sequência e também a escolha de quantos fps deseja rodar o seu vídeo, o resto do trabalho é feito pelo próprio soft, já que suas fotos estão editadas. Sabe mexer no Final Cut?! Parabéns, mas isso pode ser feito até mesmo no Windows Movie Maker. Use o que for mais fácil para você.

Agora se tiver muita preguiça de fazer isso tudo eu dou uma dica pra dar uma enroladinha: para os donos de iPhone, o TimeLapse é uma mão na roda. É até covardia. Para usuários de Android, não os esqueci: O Lapse-it não faz feio.

E pra finalizar, o mais recente vídeo de um cara que conheci ano passado. Pra mim um dos melhores desta técnica, senão O melhor. Dustin Farrell. É isso, até a próxima.

Tags:
Leo Arcoverde

Leo Arcoverde, designer, publicitário (diretor de arte), fotógrafo, ilustrador e metido a redator nas horas vagas. Geek com mau-humor matinal, seco, sarcástico, cáustico, até brincalhão e simpático às vezes. Nem sempre.

  • 1

You Might also Like