Digite para buscar

A vez do Storytelling nas empresas

Marcelo Cavazzini 14 de Maio de 2013
Share

story DESTAQUE
O Storytelling além de ser usado em muitos, livros, filmes, teatros e campanhas publicitárias, passou a transitar e ganhar força no mundo corporativo para criar engajamento não apenas dos consumidores, mas também de funcionários e fornecedores.

Mas afinal de contas o que é o Storytelling?

É a construção de uma narrativa que não necessariamente é ligada apenas a ficção, e pode ser transmitida através de fatos reais contatas de uma maneira lógica, estruturada com alguns padrões na forma de sons, palavras, imagens com o objetivo de compartilhar ou ensinar. O mais importante com começo, meio e fim.

Um bom Storytelling precisa ter algumas ações:

AÇÃO

CONTEXTO

– Quebrar rotinas, mudar cenários. É preciso explorar eventos de impacto, que representem algo extraordinário para os colaboradores.
– Eleger um protagonista. É importante que haja um personagem carismático, que anseie pela conquista de algo e que gere identificação nos colaboradores.
– Criar um antagonista. O protagonista precisa lutar contra algo ou alguém. Pode ser um outro personagem que assuma a condição de vilão ou mesmo obstáculos de natureza fortuita, movimentos coletivos insurgentes ou algo semelhante.
– Contextualizar claramente um conflito. Da relação do protagonista com o antagonista, é preciso que se configure um cenário de tensão, levando o conflito até o ouvinte, fazendo-o ficar atento e envolvido com a história.
– Ordenar de forma lógica a história. A história precisa ter começo, meio e fim e gerar sentido para o ouvinte. Numa empresa, os colaboradores vão precisar entender as correlações da história com o momento que estão vivendo, sem perder o “frisson” que o desfecho provocará.

 

Não é qualquer história que é storytelling, fazendo uma busca na internet achei um modelo bem interessante para compartilhar com vocês:

TNL_Narrative_Model_-_lowres

O modelo foi desenvolvido por Shaun Callahan de Anedota na Austrália, resumidamente nos mostra que deve:

– Fornece uma visão
– Um significado
– Cria influência e como compartilhá-lo
– Inspirar as pessoas a agir.

Isso através de uma comunicação apropriada para uma resolução de um problema.

A questão aqui fica por conta do por que usar Storytelling?

Fácil, de acordo com Jerome Bruner, renomado psicólogo, um dos pioneiros no estudo de Psicologia Cognitiva, descobriu que um fato tem 20 vezes mais chance de ser lembrado se estiver ancorado em uma história.

Aqui no Brasil, a Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento (ABTD) realizou em seu site uma enquete sobre o uso de Storytelling nas empresas.

A Associação recebeu 159 respostas, que geraram dados interessantes:

1 – 45% dos participantes afirmaram conhecer aplicações de Storytelling no mundo corporativo e 55% não conhecem.

2 –  27% dos participantes afirmam que a empresa que trabalham utiliza Storytelling em alguma área, enquanto 73% disseram que não.

Esses dados demonstram que ainda existe um mercado bem inexplorado por parte das empresas.

3 – Somente 22% das pessoas que responderam utilizam Storytelling no ambiente organizacional.

Ou seja, falta conhecimento efetivo para sua aplicação, e mesmo aqueles que praticam não se sabem se é feito da forma correta.

4 –  92% dos entrevistados acreditam que o Storytelling pode aumentar resultados em sua empresa, a partir de uma melhor comunicação entre os colaboradores e as áreas. Somente 8% não acreditam nesta técnica aplicada à sua empresa.

Em algumas grandes empresas o uso do Storytelling tem força. Na Nike, por exemplo, todos altos executivos são designados como “Corporate Storytellers”.

A 3M adotou as “narrativas estratégicas” e a Procter & Gamble contratou diretores de Hollywood para ensinar as técnicas de contar histórias a seus executivos.  

O Steve Jobs na Era Apple com Storytelling

Um bom exemplo, conhecido de todos nós é o próprio Steve Jobs na era Apple.

Qualquer lançamento de produto da empresa era acompanhado por uma narrativa do próprio CEO. No meio de toda a narrativa, ele conseguia criar momentos de tensão, mostrar os obstáculos, envolver o público e por fim, ter um desfecho com seu produto.

Veja o discurso feito em Stanford:

Dica: Para entender mais sobre Storytelling, leiam o livro O poder do Mito de Joseph Campbell.

Espero que tenham gostado!

Tags:
Marcelo Cavazzini

Publicitário e pós graduado em marketing e vendas, paulista são paulino de coração, além de um curioso por natureza. Sempre que pode gosta de viajar e explorar a história dos lugares que visita. Aficionado em modelos de negócios, principalmente no segmento educacional devido sua experiência profissional, defende o compartilhamento do conhecimento como a melhor forma de desenvolver o ser humano.

  • 1

You Might also Like