Digite para buscar

O profissional de publicidade e o cliente absurdo: Profissionalismo X Inconformismo

Marcos Nascimento 25 de agosto de 2015
Share

Untitled(Imagem: Felipe Souza)

Já sabemos que todo publicitário é apaixonado pelo que faz (ou quase todos), mesmo por que, sem esse fogo que alimenta nossa mente não seria possível desenvolver algo que tocasse realmente o consumidor; Porém, quem nunca se deparou com um cliente que “cortasse o tesão” pelo job? Fosse pelo profissional responsável pela marca, fosse pelo segmento do produto ou então, pelo briefing absurdo?

Você deve concordar que o maior dilema de um criativo, é adaptar uma comunicação a um público de acordo com seus hábitos. O Diretor de Arte aplica muito do que vive no que faz, pois sabe-se muito bem que publicidade não trata de negócio, mas sim de pessoas. Atingir um púbico pela memória seletiva, é a chave mestra da boa comunicação.

Pois bem, e aquele profissional de propaganda, que atende, por exemplo, uma marca enorme de cerveja, mas não consome cerveja ou não concorda com a publicidade voltada a bebidas alcoólicas? Ou simplesmente não possui os hábitos daquele consumidor? Ou então, aquela Diretora de Arte, que atende uma conta de Leilão de gado, mas tem repulsa da “vida no campo”, ou defende o vegetarianismo? Até que ponto aquela conta é influenciada por esse apreço individual?

Há quem separe muito bem cada ponto de influência pessoal, e ressalte dentro da agência apenas o lado mecânico e profissional. Que desenvolve um trabalho excelente, independente do cliente, e talvez seja com esse perfil que a maioria se identifique. Mas e aqueles que são inconformados com a situação?

Vamos imaginar que chegou um briefing, em que já foi estipulado que deverá ser feito uma peça com um conceito predefinido, porém, a equipe que recebe o briefing, não concorda com o conceito criativo, mas não há a possibilidade de mudança. E agora?

Deixo aqui uma conclusão inexistente: qual seu ponto de vista? Como você age/agiria, sendo você um publicitário, com um cliente que não acredita, ou um produto que não consome?

Tags:
Marcos Nascimento

Trabalha em agência como Diretor de arte. Gosta de fotografar, pintar e escrever. Escreve às segundas e terças.

  • 1