Digite para buscar

Propaganda EMPÁTICA ou SIMPÁTICA? Entenda o poder delas

Bia Vasco 25 de Fevereiro de 2016
Share

Empatia

Hoje umas palavras mas citadas é a “EMPATIA”, estamos em um momento que as emoções muitas vezes estão a flor da pele e as pessoas cada vez mais se manifestam, a palavra se materializou, se ergueu, gritou, esperneou e está ai! Na busca de soluções e formas de combater sofrimentos, preconceitos e injustiças diárias.

Em algum lugar com certeza você já deve ter visto algo como “Está faltando empatia no mundo!”

Apesar de parecidas as palavras “empatia” e “simpatia” podem levar a caminhos diferentes.

Na propaganda ambas assumem papéis importantes, que variam de acordo com a situação.

Vendo definições

Empatia significa a capacidade psicológica para sentir o que sentiria uma outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela. Consiste em tentar compreender sentimentos e emoções, procurando experimentar de forma objetiva e racional o que sente outro indivíduo.

Simpatia é um sentimento de afinidade que atrai e identifica as pessoas, é uma tendência instintiva que leva o indivíduo a estabelecer uma harmonia com o outro, permitindo a criação de laços de amizade.

Segue um vídeo interessante que mostra uma perspectiva da diferença entre elas, (um pouco ácido, mas eficaz)

A empatia é uma conexão muito mais profunda, extremamente pessoal, passa aquela sensação de cuidado, o momento de “eu consigo sentir o que você sente”, um vendedor empático por exemplo tende a ser mais bem sucedido que um vendedor apenas simpático.

Ver alguém cedendo e se colocando diretamente no lugar do outro (mostrado as vezes como solidariedade) é algo que chama a atenção, e viraliza rapidamente, é como o “não somos mais amigos, somos cumplices”.

Um exemplo de vídeo que viralizou anos atrás mostrando solidariedade, e em alguns momentos a EMPATIA. (Peguem os lenços)

A propaganda empática então seria a melhor solução para tocar o ser humano, certo?

Nem sempre. Se não seria fácil né =)

O vídeo que mostrei ai em cima “RSA – O poder da empatia” já foi visto por várias pessoas e mostrado até mesmo em cursos da área de publicidade como referência. Mas ele não traz uma fórmula mágica de persuasão, nem se trata de uma verdade absoluta. Não podemos querer que a simpatia seja anulada, ou que não tenha importância. O vídeo é simplesmente uma reflexão. O que interessa para nós publicitários é chegarmos ao nosso objetivo, independente do sentimento mostrado (Y)

O ser humano criar uma identificação é algo incrível e essencial, mas temos que ver o contexto!

As vezes tem que haver a “pequena” preocupação, para dar uma solução. Um certo positivismo, o “calma, isso da pra resolver” e obviamente, nós damos a solução. ;)

Simplesmente simpatia.

Querer usar de EMPATIA em tudo pode ser algo incômodo.

Exemplo clichê, mas facilmente imaginável:

Já pensou usar de muita empatia em uma situação de estética? Dentro de uma clínica.

É mais fácil falar para uma mulher que celulite é algo pequeno, normal, facilmente resolvido e mostrar seu produto/serviço, (resultados com imagens de progressos), prometendo a ela poder ficar próxima do resultado de “pele perfeita”, do que concordar que realmente ela não está bonita, falar que já se sentiu assim também e que tem dias que você se olha no espelho e sente como se sua bunda parecesse com as crateras da lua.

Socorrooo, não façam isso.

Não, definitivamente não.

Dependendo da personalidade da mulher ela não vai querer seu tratamento estético, vai querer um tratamento psiquiátrico.

Tudo tem que ter uma medida, e um lugar para ser usado.

Apesar da palavra “EMPATIA” estar PULANDO NA NOSSA CARA O TEMPO TODO, isso não significa uma solução única de tocar a humanidade. Criatividade tem mão dupla!

A empatia é algo profundo, a compreensão mais íntima, enquanto a simpatia é algo amigável que tem o objetivo de dar mais alegria e alguma positividade.

Cabe a cada profissional ter bom senso em ver qual tipo de sentimento se aplica ao conteúdo que quer criar.

A simplicidade e o “good vibes” podem não ser os termos “tendência do momento” mas as vezes são mais eficazes.

Fontes: 1 | 2

Tags:
Bia Vasco

I'm fabulous! Publicitária, Analista de Maketing e designer (as vezes). Apaixonada por conteúdo digital, neuromarketing e neurolinguística. Praticante de artes circenses aéreas, dançarina e atriz (interrompida). A "Multi mulher" e "multi profissional" mais amorzinha que você irá conhecer. Prazer, Bia. ?

  • 1

You Might also Like